Atenção ao uso de remédios

Dores de cabeça ou dores na coluna são os sintomas mais comuns entre boa parte da população. Um dos fatores de dor mais recorrente é o estresse, já que a tensão comprime os músculos e acaba resultando na dor. Muitas vezes estes incômodos são aliviados através do uso indevido de diversos medicamentos. É comum se ter uma “mini-farmácia” dentro de casa e a qualquer sinal de dor ou desconforto, acontece a automedicação. Porém todo medicamento possui riscos e condições a serem observadas.

Alívio dos Sintomas

O alívio dos sintomas após a automedicação nem sempre significa que houve um tratamento adequado para o seu caso de dor e muito menos que o problema foi resolvido, pois a prática pode estar mascarando problemas mais sérios. É importante o controle sobre a ocorrência de interações medicamentosas no intuito de minimizar seus danos, além de ser necessário alertar a população sobre as consequências dessa automedicação, tais como internação e óbito. Entenda como o uso indevido de medicamentos pode afetar a saúde e saiba como se proteger dos perigos da automedicação!

Automedicação no Brasil

Lembramos que a automedicação é hábito de 72% dos brasileiros (O Brasil é recordista mundial em automedicação.), segundo pesquisa do Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade (ICTQ). Além do uso inadequado, muitos têm o hábito de aumentar as dosagens para obter alívio mais acelerado. Outro dado relevante mostra que 40% da população faz o autodiagnóstico por meio da internet.

Consequências da automedicação

Os remédios mais comuns para dores rotineiras são considerados inofensivos, mas também podem trazem riscos à saúde e acabam se tornando inimigos silenciosos. E não é somente o fato de tomar o remédio sem recomendação médica que pode trazer riscos à saúde: Doses em excesso, administração inadequada e uso para fins não indicados também trazem consequências perigosas. O principal problema está no fato da automedicação contribuir para a dificuldade e atraso no diagnóstico de determinadas doenças, agravando o problema. Outros riscos relacionados são:
  • Interação medicamentosa onde a combinação de medicamentos pode anular ou potencializar o efeito do outro
  • Resistência de microorganismos
  • Intoxicação
  • Dependência
  • Hipocondria e o vício em remédios
Compartilhe os riscos da automedicação para que essa prática seja cada vez menos comum. Diante de qualquer efeito colateral, recomendamos que você suspenda o uso e procure um médico imediatamente.